Na catraca

Subi no busão. Quando encostei na catraca, saquei meu bilhete único (cartão de passagem) e lembrei: “dia de pular catraca”. Protesto contra o aumento da tarifa, organizado por vários movimentos, dentre eles o que defende o passe livre.

Olhei pra dentro do ônibus. Fui o segundo passageiro a subir. O coletivo acabara de sair do ponto inicial, estava praticamente vazio.

Perguntei pro cobrador, com meu bilhete já no aparelho que descontaria meus R$2,70:

– Tem muita gente pulando a catraca hoje?

– Não, ninguém pulou. Por quê?

– Por que hoje é dia de protesto contra o aumento da tarifa, que subirá para R$2,90.

– Ninguém pulou. E se pulasse, o ônibus pararia na hora e botaríamos o cara pra fora. Isso não é protesto, isso é vandalismo.

O cobrador, que não terá um centavo de aumento em seu salário, reproduziu o discurso do explorador. Sentei e, na marcha fúnebre em direção ao meu trabalho e R$2,70 mais pobre, fiquei a pensar sobre o que deveria ter dito ao cobrador para convencê-lo da importância do protesto.

Por fim, não pulei a catraca e segui calado, convencido de que não poderia fazer mais nada. Pelo menos não naquele momento.

Anúncios

2 comentários sobre “Na catraca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s